quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Presente para Tetê


Dentro dos olhos de Tetê
Gira um mundo
Na  noite dos olhos
No universo sem fim
Lá bem no centro do seu infinito

No buraco negro das pupilas
Paira uma lua
Fonte inesgotável de beleza
Que reflete o brilho da vida
Que vê passar sorrisos e gritos
Imagina os deuses no céu
E inventa um mundo no chão

Dentro dos olhos de Tetê
Gira um mundo que ninguém vê
No escuro dos olhos
Nas águas que caem
Nos sonhos dos sonhos
Que um dia vai ter

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

...


   
De repente ele soltou um sopro vazio
Parecia mesmo que o mundo dele tinha parado
Era algo como um alucinógeno
Que o deixava no escuro
Era a mão puxando a linha
Numa ponta do tear
Entende?
Não parece fazer sentido mesmo
Mas pense em algo como um templo
Que nunca vê uma oração
Um ponto de partida esquecido
Que não é nem começo, nem meio
E que nunca se poderá saber se será fim
É só o nada incômodo
É  exatamente o que se sente quando você está longe